Buscar
  • VA comunicacao

MST aprova os nomes de Valmir e Lucinha como pré-candidatos do movimento na Bahia


A ex-secretária de estado Lucinha Barbosa e o deputado federal Valmir Assunção - FOTO: Jonas Santos -

Em encontro estadual na capital baiana, membros de diferentes regionais do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ratificaram os nomes de Valmir Assunção e Lucinha Barbosa, ambos do PT da Bahia, como pré-candidatos a deputado federal e deputada estadual para este ano. Nesta segunda-feira (21), ambos os petistas falaram da escolha, defenderam a luta por terra no país e foram uníssonos sobre o retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao comando do país. Eles também reafirmaram o compromisso em reeleger o projeto político que comanda a Bahia com apoio à pré-candidatura do senador Jaques Wagner (PT-BA) para o governo estadual.


“Vamos caminhar juntos e essa decisão do MST é de suma importância para a sequência das estratégias políticas que serão montadas neste próximo período. Temos pautas importantes para defender, essa questão dos agrotóxicos está no centro do debate agora, temos de pressionar o Senado para que a peça seja reprovada. Chega de veneno em nossas mesas. E a união dos movimentos sociais para dar sustentação à pré-candidatura de Lula é outro foco nosso que deve ser tratado de forma nacional. Então, essa decisão do MST é histórica e vai ajudar a gente a ter representantes do movimento na Assembleia Legislativa da Bahia e no Congresso Nacional”, salienta Valmir.


Para Lucinha Barbosa, que enfrenta sua primeira campanha, a escolha do MST mostra a vontade do movimento em ter representação no parlamento baiano. Ela destaca a atuação de Assunção na Câmara Federal, com inúmeros projetos voltados para a questão agrária, e defende a criação de mais políticas públicas e infraestrutura geral para os assentamentos e acampamentos. “Vamos caminhar juntos. Isso já foi decidido. Agora é montar um projeto que esteja nos mesmos moldes do projeto de sociedade implementado pelo PT na Bahia, nesses quase 16 anos de gestão. A ideia é continuar e reforçar as ações no campo, como mais benefícios, assistência técnica e comercialização como meios para aumentar a produção de alimentos saudáveis, e nisso o MST é craque”, completa Lucinha.


Todo o processo de escolha do MST foi conduzido pelos dirigentes nacionais do movimento, Evanildo Costa, Lucinéia Durães e João Paulo Rodrigues, que participaram do encontro estadual em Salvador. Esse encontro contou com representantes de todo o estado e encaminhou uma agenda de lutas sociais contra o governo Bolsonaro e ações diretas em todo o interior.




26 visualizações0 comentário